Voltar

+ OBJETO +

...

Florestinha do Vale Verde

Criado por: dax

INTRODUÇÃO

O sítio Florestinha do Vale Verde é uma pequena propriedade familiar situada no Vale Verde, zona rural do município de Alto Paraíso de Goiás.

Seus proprietários decidiram disponibilizar o espaço para anfitriar a realização do Projeto Florestinha do Vale Verde, um experimento de dimensões sociais, ambientais e tecnológicas que visa habilitar a regeneração do planeta através da agrofloresta.

POR QUE ESTAMOS FAZENDO ISTO

Estamos fazendo isto porque queremos habilitar um futuro possível com muito mais agroflorestas!

ÁGUA SE PLANTA

A floresta é um organismo complexo e biodiverso com uma habilidade muito específica: a de condensar água do ar e infiltrá-la no solo. Faz sentido portanto considerar o plantio de florestas como sendo tecnicamente a melhor solução para o problema da escassez de água nos rios e lençóis freáticos.

A partir de quinhentos hectares instalados de nova floresta estratificada, ou seja, com a presença de espécies de todos os tamanhos e papéis, começa a aumentar o volume de milímetros de chuva anual da região influenciada. Portanto se plantarmos muitas novas florestas resolveremos o problema com o ciclo das águas.

Sim! Estamos falando de restaurar as florestas e os ciclos das águas através de uma solução inclusiva e capaz de se reproduzir em escala exponencial!

Para garantir a disponibilidade de água doce em nossos rios precisaremos de uma área tão grande de novas florestas que isto demandará que enormes quantidades de pessoas decidam se mover de suas cidades para o campo com intenção de criar suas agroflorestas e viver delas.

Acreditamos que isto é possível.

Leia mais: http://sitioflorestinha.com/agua-se-planta/

UMA MUDANÇA DE PARADIGMA

O consumo de alimentos estruturado sobre a agricultura industrial como vemos hoje está falindo. A maior parte das florestas já foi substituída por pasto e monocultura e o restante está sendo queimado ano após ano, o que já afetou o ciclo das águas. O volume de água dos nossos grandes aquíferos está diminuindo gradativamente e isto, adicionado da degradação que o uso de agrotóxicos causa no ecossistema, nos leva à hipótese de que este não é o método de agricultura que alimentará o mundo no futuro.

Nesta linha de tempo vamos ter portanto escassez de comida. Quando isto acontecer a água já terá acabado nos lugares onde é fácil acessá-la. Este é o paradigma sustentado pelo sistema em que vivemos, a escassez, a aceitação da realidade em que “não vai ter para todo o mundo” e que “precisamos nos esforçar, competir por recursos”. Antes que tudo acabe.

NÓS percebemos a Terra como um organismo vivo formado por muitos outros organismos, também vivos, e desejamos ver outro tipo de processos em curso, a sintropia. Todos juntos cuidando do planeta.

AGRICULTURA SINTRÓPICA

Agricultura Sintrópica é uma forma de praticar agricultura imitando os processos da vida na floresta criando Sistemas Agroflorestais (SAFs), mais conhecidos como Agroflorestas.

Neste tipo de manejo as plantas são cultivadas em consórcios, combinando espécies visando o aproveitamento máximo do espaço em cada estrato ou altura.

A compreensão do mecanismo de sucessão natural das espécies é parte fundamental deste método, pois permite combinar elementos capazes de se suceder no tempo rumo ao objetivo final de o sistema se transformar em uma floresta estratificada. Cada indivíduo tem um papel a ser desempenhado em algum estágio do desenvolvimento de uma floresta com base na sua instrumentalidade para o momento.


AGROFLORESTA

Agrofloresta, ou Sistema Agroflorestal (SAF), é um sistema de plantio de alimentos consorciados com árvores ou até animais.

As agroflorestas são um habilitador estratégico para o futuro que desejamos, pois são uma atividade que, no longo prazo, resulta em novas florestas estratificadas, e são rentáveis desde os seus primeiros meses de operação tornando possível que pessoas vivam da criação e cuidado de florestas.

Leia mais: http://sitioflorestinha.com/agricultura-sintropica/

O QUE ESTAMOS FAZENDO
Nos organizamos a partir do fluxo das nossas interações, empoderados pelo propósito regenerativo e pela compreensão do que são as necessidades comuns do NÓS coletivo, dedicamos nossa atenção ao que é importante “no agora” e compartilhamos o resultado da atividade econômica realizada.

JORNADA DE TRANSIÇÃO

Queremos habilitar um futuro alternativo possível no qual a humanidade soluciona o problema da escassez de água plantando florestas.

Uma mudança de consciência sobre como podemos coexistir melhor em nosso planeta é o que nos habilitará a transcender o sistema que nos trouxe até aqui e plantar uma quantidade incrível de florestas que eliminará por completo o problema da escassez de água.

Criar a quantidade de florestas de que precisamos para manter a água fluindo em nossos rios nos demandará um nível de inclusão social sem precedentes na humanidade. Muitas pessoas ingressando neste papel de produzir florestas, que são sistemas abundantes. Isto será a abundância para todos os NÓS da rede. Não haverá mais fome nem pobreza!

Aqui na Florestinha do Vale Verde estamos vivenciando esta jornada de transição de uma vida condicionada no ambiente da cidade para uma vida no campo com a intenção de criar uma nova agrofloresta, aprender como é viver fazendo isto e compartilhar os saberes adquiridos na jornada. Desejamos mostrar para o mundo que é possível fazer esta transição!

AGROFLORESTA E COLETIVO

No início de outubro de 2017 semeamos aqui uma nova agrofloresta usando os princípios da agricultura sintrópica de Ernst Götsch e formamos um coletivo para co-criar esta experiência.

INTERAÇÃO “NO AGORA”

Colaboramos em torno das necessidades que identificamos durante a interação no campo de possibilidades da Florestinha do Vale Verde. Somente quem está presente, atento e interagente é capaz de compreender quais são as coisas mais importantes a se fazer "no agora".

A interação é o principal processo que precisa acontecer entre os nós da rede para se materializar a compreensão coletiva do contexto comum a todos.

Interagimos aqui para cuidar do desenvolvimento da nossa agrofloresta, manejando-a no seu dia-a-dia para que no futuro se transforme em um sistema abundante e autosuficiente, colhendo seus frutos que nos trarão os recursos materiais de que precisamos para viver e interagindo com a comunidade para compartilhar tudo o que for aprendido na jornada. Queremos ver muito mais pessoas fazendo isto!

EQUILÍBRIO SISTÊMICO

Desenvolveremos atividades comerciais relacionadas a venda de alimentos e produtos originados na nossa agrofloresta e produção de experiências de contato e imersão agroflorestal e sobre como é possível se organizar com outras pessoas para criar uma nova agrofloresta e viver de forma próspera a partir deste fazer.

Todo o excedente das receitas (lucro), abatidos os custos operacionais com insumos, produtos e serviços, bem como infra-estrutura de água, energia, internet e transporte, é distribuído com base na seguinte regra que visa o equilíbrio sistêmico do empreendimento como um todo:

Trinta por cento retorna para os donos do sítio para honrar tudo o que foi feito antes.

Setenta por cento é distribuído entre as pessoas que estão materializando o experimento proporcionalmente à quantidade de energia dedicada por cada indivíduo ao intento coletivo, honrando desta maneira quem veio depois.

COMO ESTAMOS FAZENDO

O sítio dispõe de uma pessoa jurídica que ancora legalmente as atividades nele desempenhadas.

O coletivo Florestinha do Vale Verde é uma organização em rede, sem personalidade jurídica e sem comando centralizado que conecta pessoas com interesse comum no aprendizado prático de como é viver da agricultura sintrópica.

Conecta pessoas em um processo interativo e co-criativo para aprender a criar uma agrofloresta desde o início e cuidar dela ao longo do seu desenvolvimento obtendo dela o seu sustento.

O coletivo não é a empresa. A empresa é um dos NÓS da rede e contribui com o atendimento aos requisitos legais e burocráticos a que estamos submetidos pela legislação brasileira. A empresa é uma das nossas plataformas.

Cada pessoa é inteiramente responsável pela sua contribuição “energética” para a geração do valor compartilhado.

O “FLORESTINHA”

O FLORESTINHA é o token digital da Florestinha do Vale Verde. Setenta por cento do lucro resultante da venda de produtos sintrópicos e da realização de eventos será distribuído aos holders, pessoas que detém FLORESTINHAS em suas carteiras digitais, proporcionalmente à quantidade de FLORESTINHAS que cada um tem na sua carteira.

O lucro compartilhado é o lastro do FLORESTINHA.

REGRA DE EMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS “FLORESTINHAS”
Os FLORESTINHAS seguem a seguinte regra de emissão:

Uma primeira emissão de 1000 FLORESTINHAS será distribuída para os iniciadores da Florestinha do Vale Verde como retorno pelo esforço inicialmente empreendido para o projeto existir; e

Anualmente serão emitidos novos FLORESTINHAS à razão de 50% sobre a base anterior resultando no exemplo a seguir:

- Durante o primeiro ano: 500 novos FLORESTINHAS. Base = 1000.

- Durante o segundo ano: 750 novos FLORESTINHAS. Base = 1500.

- Durante o terceiro ano: 1125 novos FLORESTINHAS. Base = 2250.

- e assim sucessivamente.

Novos FLORESTINHAS serão emitidos mensalmente seguindo a regra de emissão acima, o que resultará na emissão mensal aproximada de 2,95% da base.

Os novos tokens serão distribuídos entre as pessoas que trabalharam em atividades do coletivo durante o mês anterior ao mês da emissão proporcionalmente à energia pessoal dedicada por cada um à Florestinha naquele período.

O PRAANA

Usaremos outro token chamado PRAANA para representar a aplicação de um dia inteiro da atenção e energia pessoal de uma pessoa a uma causa. Outros coletivos ou iniciativas poderão usar PRAANA em seus processos.

Qualquer um de nós co-criadores pode convidar pessoas para participar nas atividades coletivas da Florestinha do Vale Verde e, neste caso, pode emitir uma quantidade de PRAANA para cada dia de atenção e energia pessoal dedicada por cada convidado ao atendimento das necessidades COMUNS da Florestinha, em sua maioria relacionadas a plantar, manejar, colher, processar, vender e entregar produtos da nossa agrofloresta, produzir experiências como criptofogueiras, mutirões, vivências e cursos em agrofloresta e cuidar dos bens comuns do sítio que foram disponibilizados para habilitar esta experiência.

Somente pessoas convidadas poderão receber PRAANA da Florestinha. Quem convida decide, antes de fazer o convite, se o mesmo retornará em PRAANA e mantém isto transparente para todos os envolvidos no fluxo das interações.

O convidado, ou seu anfitrião, emitirá as suas unidades de PRAANA ao final de um período de trabalho através de um aplicativo distribuído (DApp) que as depositará na PCD da Florestinha para contabilização. Esta será a evidência objetiva de que a pessoa dedicou “energia” à Florestinha naquele dia.

POUPANÇA COLETIVA DISTRIBUÍDA (PCD)

Oswaldo Oliveira batizou este conceito com o nome “Poupança Coletiva Distribuída”, ou simplesmente “PCD”. Codificamos na nossa PCD uma regra de distribuição que vigora enquanto o contrato estiver ativo na rede, ou seja, para sempre ou até ele ser extinto.

A regra que escolhemos para realizar este experimento é de que setenta por cento do lucro resultante das operações comerciais da Florestinha do Vale Verde será distribuído para as carteiras que detém FLORESTINHAS proporcionalmente à quantidade destes em cada carteira e as pessoas receberão mais FLORESTINHAS mensalmente proporcionalmente à quantidade de PRAANA depositada na PCD da Florestinha em cada mês.

Toda a receita transferida para o endereço da carteira deste contrato inteligente será distribuído com base na regra codificada.

NÓS indivíduos podemos, com o auxílio deste mecanismo da PCD, nos dedicar a um intento coletivo enquanto o valor econômico compartilhado resultante das nossas interações é distribuído entre nós com base em uma regra clara, e que no caso da Florestinha do Vale Verde se baseia na quantidade de energia dedicada ao empenho no manejo agroflorestal porque este é o fluxo de interações que desejamos "energizar".

NÃO HÁ TROCA. SOMENTE DISTRIBUIÇÃO.

No início de cada novo mês um contrato inteligente ou smart contract, que é um programa de computador que instalamos na rede para automatizar este processo, executará um procedimento que irá emitir novos FLORESTINHAS em um total equivalente a 2,95% da base emitida até o momento e distribuí-los para as pessoas que depositaram PRAANA na nossa PCD durante o mês de referência proporcionalmente à quantidade de tokens depositados no período.

Um indivíduo pode receber PRAANA de uma ou mais iniciativas, podendo portanto manter relações “energéticas” com múltiplos NÓS da rede.

COMO SE INTEGRAR AO EXPERIMENTO

Qualquer pessoa pode se integrar ao experimento participando em nossos mutirões e outros tipos de eventos. Pessoas interessadas em se tornarem membros residentes da Florestinha devem entrar em contato com Dax Faulstich Diniz Reis para manifestar esta intenção e solicitar mais informações sobre a possibilidade da acolhida.

DO ENCERRAMENTO DESTE EXPERIMENTO

Aos proprietários do sítio Florestinha do Vale Verde, representados por Dax Faulstich Diniz Reis, se reserva o direito de encerrar o experimento em qualquer tempo, devendo neste caso os integrantes do coletivo desocuparem o espaço em período de até três meses contados a partir do registro da solicitação por e-mail enviado pelo representante dos proprietários para os integrantes residentes do coletivo Florestinha do Vale Verde, deixando intactos todos os recursos, ferramentas e instalações que compõem o experimento.

PLANILHA DE SIMULAÇÃO

A planilha a seguir pode ser usada para simular a distribuição de valor da nossa PCD em um período de até quatro anos.

Clique no link e divirta-se simulando estes dados nos mais diversos cenários!

https://docs.google.com/spreadsheets/d/1A2QfQnh9gEJscTLbytwWaxogt3IiaXITGPPh-SkGV1Y/edit?usp=sharing

VERSÃO DESTE DOCUMENTO
Versão: 0.2 BETA

Autor: Dax Faulstich Diniz Reis

Data da publicação: 9 de julho de 2018

Controlamos as versões deste texto no GITHUB:

https://github.com/florestinha/florestinha-token/blob/master/white-paper.txt

Esta é a segunda versão deste documento e tem por intenção servir como registro das regras de distribuição que serão codificadas nos programas que serão desenvolvidos para automatizar a distribuição.